A Evolução das Lideranças na Gestão de Equipes

Curso de Liderança

Por Frederico Condé

Atualmente é senso comum nas organizações o tema “Liderança e Gestão de Equipes”.

Uma eficiente gestão da equipe orientada para resultados está diretamente relacionada a uma grande liderança, e ser esta grande liderança é o grande desafio dentro das organizações nos dias atuais.

Mas como ser uma grande liderança?

A competência liderança atualmente está muito mais ligada à capacidade de ação, movimento e desenvolvimento das pessoas do que a uma distribuição aleatória de um dom celestial.

A mudança de comportamento das pessoas, das gerações vêm naturalmente transformando as formas de liderança. Se pensarmos em um passado não muito distante, nos lembraremos da liderança através do medo, através do poder, a liderança por experiência e também da liderança por conhecimento e informação. Todas em seu tempo, sempre adequando as mudanças de comportamento humano às necessidades organizacionais, políticas e sociais.

O dinamismo do mundo dos negócios e a forma com que as informações são disseminadas tão rapidamente transformou as gerações, todos estamos interligados diariamente através da Internet, e este novo padrão de comportamento dos últimos 10 anos, é claro, também mudou a forma de liderar.

A Geração Z, a Internet e a Liderança

A chegada da geração Z (que “nasceu” na Internet) no mercado de trabalho e a própria evolução da Internet que mesmo tão nova já “saiu” dos lares para ir para rua junto com as pessoas através dos smartphones, criou um novo padrão de comportamento das pessoas.

O novo padrão de comportamento é acelerado, é ansioso, é das relações rápidas e intensas, é a geração explosiva das proteínas e dos hormônios, do “whey protein” como padrão alimentar, é a geração necessitada das respostas e resultados rápidos.

É a geração Google, que não aceita respostas com tempo superior aos milésimos de segundos, é a geração das redes sociais e da comunicação dos mensageiros instantâneos, que acha um absurdo ter que fazer um comunicado por escrito para esperar pelo retorno um tempo maior ou igual a 15 minutos.

Este novo padrão de comportamento provocou um choque entre as gerações.

O que as outras gerações gastaram anos, dinheiro e tempo para aprender, a Geração Z se quer precisou aprender.

Todo “conhecimento” e até o “como fazer?”, já estava literalmente no bolso, e em alguns segundos o Google ou Youtube já “ensinavam” para eles.

As lideranças começaram a ser questionadas, inclusive a dos pais.

A juventude que sempre teve muita energia e lhes “faltava” conhecimento e experiência, pela primeira vez na história se sentiu “completa”, conseguiram ter todas as respostas na palma da mão e queriam “atropelar” tudo e todos.

O que os pais e os líderes ensinavam, o Google já tinha contado de forma mais detalhada com técnicas audiovisuais muito mais interessantes no Youtube.

O mundo dos negócios e as organizações tiveram que se adaptar rapidamente.

Estudos sobre liderança e gestão de equipes passaram a ser temas recorrentes nos debates das organizações para entender o novo padrão de comportamento das pessoas.

Desenvolvimento dos líderes se tornou objetivo e meta nos planejamentos estratégicos das empresas.

Mudar-se, adaptar-se é a chave da grande liderança.

A Liderança sofre então a sua mais recente metamorfose, onde, quem ficar parado será “atropelado”. Ser uma grande liderança passa a depender da capacidade de mudar a rota completamente, mas sem realizar movimentos bruscos, é adaptar-se e desenvolver-se juntamente com a equipe. A própria autoridade e liderança dos pais teve que ser mais próxima e mais amiga dos filhos para entender este “mundo” deles.

É ação e reação.

Ser uma grande liderança é criar indicadores e metas, é delegar tarefas, confiar e acompanhar, é dividir o sucesso, assumir e corrigir eventuais falhas, é administrar conflitos de forma inteligente e justa, é fazer uma comunicação clara e dar feedback’s.

O grande líder deve ser um altruísta.

Para ser uma grande liderança deve-se promover a mudança, mostrar para a equipe que estagnar apesar de confortável, é danoso, que a mudança apesar de incomodar, faz evoluir, faz crescer, ser uma grande liderança é ser o exemplo não apenas nas palavras, mas também nas ações do dia-a-dia, é se preocupar com o seu liderado, com seu par, é se estabelecer como modelo, como padrão a ser seguido, é aprender a ouvir a equipe e os anseios por novos recursos fazendo a conexão direta com os objetivos e metas da organização.

O grande líder é movimentAÇÃO o tempo todo.

Com a mudança de comportamento acelerada que passa todo mundo, acredita-se que a liderança deverá ser tão adaptável e mutável que deverá ser como um fluído, congressos e debates sobre o tema já batizaram-na,  chamando a nova forma de liderança de “liderança líquida”, mas este tema ficará para uma próxima publicação.

Até lá

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *